Central de atendimento - (48) 3029.0099

Você está em: Notícias

A mamografia e o risco de câncer de tireoide

#Saúde da Mulher

Notícias recentes sugeriram que o aumento na incidência de câncer da tireoide em mulheres poderia ser devido à exposição aos raios-x durante a mamografia. Estas afirmações, porém, são alarmistas e infundadas, uma vez que há diversos estudos publicados que mostram que o exame de mamografia não expõe a tireoide a doses consideradas nocivas de radiação. 

Nos últimos 50 anos, o screening mamográfico tornou-se um dos avanços mais importantes para a saúde da mulher, já que a partir do início dessa avaliação anual, a taxa de mortalidade por câncer de mama diminuiu mais de 30%. Em 1995, o Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos realizou um estudo com quase 8 mil pacientes que tinham sido submetidos a exames radiológicos. Metade deles teve câncer de tireoide e o que queria determinar-se era se eles tinham recebido uma dose mais elevada. Os resultados, porém, indicaram que o risco relativo de câncer da tireoide não era associado significativamente com a dose acumulada estimada da glândula tireoide por exames radiológicos. Também o 7º Relatório sobre Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante (BEIR VII), constatou que o risco durante toda a vida de padecer de câncer de tireoide induzido pela radiação é de 14 por cada 100 mil mulheres expostas a 0,1Gy. Portanto, assumindo a dose mais elevada que é de 4,7 mGy para a mamografia convencional, o risco durante toda a vida de desenvolver câncer de tireoide induzido por um exame de screening para uma mulher de 40 anos é de seis por trilhão, ou seja, um em 166 milhões. Se somarmos o risco para múltiplos exames, o risco acumulado de ter um câncer de tireoide por causa de um screening mamográfico anual em mulheres entre 40 e 80 anos é de aproximadamente 56 por trilhão. Isto é, uma em quase 18 milhões. 

Outra forma de quantificar a radiação recebida por estudos médicos é compará-la com a radiação natural. Esta é a radioatividade que existe na natureza, sem intervenção humana e a qual todos estamos expostos todos os dias. A dose média recebida por um ser humano é de aproximadamente 3mSv por ano, de modo que, durante uma mamografia bilateral com duas incidências, a glândula tireoide recebe o equivalente a 30 minutos de exposição natural. Dito de outra forma, a tireoide recebe, no decorrer de um ano, 17.520 vezes mais radiação natural do que a recebida durante uma mamografia. 

Deve-se destacar ainda, que a incidência de câncer da tireoide aumentou significativamente desde 1998 com a mesma taxa, tanto em mulheres quanto em homens (que não fazem mamografias). Isto indica que o aumento da incidência está, na verdade, ligado à melhoria das técnicas de diagnóstico, o que levou à identificação de formas subclínicas deste câncer em ambos os sexos, e não a um aumento na exposição à radiação das mulheres que realizam exames de mamografia. Tanto cálculos como medidas mostram que a quantidade de radiação atingindo a tireoide durante a mamografia é insignificante. A quantidade de radiação atingindo os ovários é ainda menor, devido à atenuação pela bandeja de suporte da mama e pelo tecido sobrejacente. 

Dessa forma, a Agência Internacional de Energia Atômica, não recomenda o uso do protetor de tireoide em exames de mamografia, devendo ser utilizado apenas nos casos em que o paciente o solicite, uma vez que a utilização dos protetores pode, inclusive, atrapalhar o exame, pois se não for bem colocado na paciente, pode ser a causa de repetição nos casos em que a sua imagem se sobrepõe à imagem da mama. 

Fonte: Alfredo Buzzi (Diretor Médico de Diagnóstico Médico S.A e Presidente da Sociedad Argentina de Radiología.

           Dra. Linei Augusta Brolini Delle Urban (Coordenadora da Comissão Nacional de Qualidade em Mamografia do CBR).

Publicado em 12.06.2017

Relacionados

Ver mais posts
Grupo Merya

Todos os direitos reservados. Sonitec 2017.

por Nacionalvox